© Festival de Cinema da Lapa | 2019 | Todos os direitos reservados | informações: festlapa@gmail.com|  Desenvolvido por: Leandro Cordeiro

SHOWS

Orquestra Harmônicas de Curitiba (OHC)

17/11  20:00h  Noite de Abertura

A Orquestra Harmônicas de Curitiba (OHC), nasceu em 29 de março de 1979, na cidade de Curitiba/PR. Ronald Pereira da Silva (in memoriam) e Eduardo Manoel Marques Pereira foram os idealizadores deste projeto que mobilizou mais de quatrocentos candidatos nos cursos de iniciação do grupo. Com o apoio da Fundação Cultural de Curitiba e da Fábrica de Harmônicas Hering (Blumenau), os cursos formaram no mesmo ano, 32 harmonicistas pré-selecionados. Destes pioneiros surgiu a primeira Orquestra de Gaitas da América Latina - título que até hoje carregamos com orgulho.

 

Ao longo destes 36 anos a OHC já se apresentou por todo o Brasil e pelo exterior (Argentina, Estados Unidos, Paraguai e Canadá) totalizando centenas de apresentações. Parceiros de peso como o Banco Nacional, Grupo Boticário, Banco Bamerindus, Som Livre, entre outros, alavancaram o sucesso da Orquestra nessa longa trajetória. Hoje a OHC é formada por 6 harmonicistas e 4 músicos de base que juntos, estão modernizando sua sonoridade, sem perder sua essência única na Música Instrumental Brasileira.

Conheça mais: http://www.harmonicasdecuritiba.com.br/

Jazz Cigano Quinteto

21/11  20:00h  Noite de Premiação

O grupo curitibano Jazz Cigano Quinteto é uma das principais referências do jazz manouche no Brasil, estilo criado pelo violonista cigano-belga Django Reinhardt e imortalizado no seu Quinteto do Hot Club de France, que ainda contava com o importante violinista francês Stephane Grapelli, na Paris dos anos 30. A mistura do 'sotaque' musical cigano de Django com os ritmos quentes do jazz swing gerou um resultado admirado até hoje ao redor do mundo todo. Existem menções a Django e o jazz manouche em diversos filmes do consagrado diretor Woody Allen, que é um profundo admirador de Django. Na Europa, gerações após gerações de músicos se dedicam a manter viva a tradição de Django e, no Brasil surgem cada vez mais grupos de jazz manouche.

 

O Jazz Cigano Quinteto é formado por Lucas Miranda (violão), Mateus Azevedo (bateria), Vinícius Araújo (violão), Wagner Bennert (contrabaixo) e John Theo (violino), e fez suas primeiras apresentações nos circuitos artísticos do SESC, em Curitiba. Hoje o grupo já tem na bagagem um CD gravado de maneira independente, apresentações em importantes eventos de empresas como NISSEI, Positivo, Lapinha SPA, programas gravados na Paraná Educativa e na TV da Universidade Federal do Paraná (UFPR), assim como participações expressivas no circuito da Corrente Cultural 2012 e 2013 e SESC Jaraguá do Sul (SC). Em 2012, na Oficina de Música de Curitiba, tocaram junto com importantes nomes da música instrumental como Gabrielle Mirabassi, Daniel Migliavacca, Vittor Santos, Itamar Collaço, além de uma série de 3 apresentações com o violonista Yamandu Costa, no Teatro Paiol em outubro de 2012. Em fevereiro de 2014, se apresentaram com o acordeonista francês, Ludociv Beier, referência de jazz manuche e jazz tradicional. E em julho do mesmo ano juntaram-se ao expoente do acordeom bàlkã e grande instrumentista brasileiro Marcelo Sanfoneiro Cigano, tocando para o público o show Riat Romani, unindo as culturas ciganas manouche e do leste europeu no Teatro Paiol.