PROGRAMAÇÃO

O tradicional Festival de Cinema da Lapa, o segundo mais antigo do Paraná e um dos mais importante do Brasil, retorna em 2020 renovado e com muitos filmes de excelente qualidade, unindo arte, cultura e entretenimento para emocionar e divertir o público.

 Promovido pelo Instituto Histórico e Cultural da Lapa, em parceria com o Instituto Borges da Silveira, o evento vai oferecer uma programação gratuita repleta de grandes atrações.

A exemplo de diversos festivais nacionais e internacionais, a edição deste ano vai acontecer de forma híbrida, mesclando atividades presenciais e online. Pela primeira vez a cidade da Lapa vai receber um cinema drive-in, com os melhores recursos de som e imagem, seguindo todos os protocolos de segurança recomendados.  

Uma parceria inédita com o site do Cine Passeio, de Curitiba, vai permitir que uma boa parte da programação do festival possa ser assistida online a qualquer hora do dia, levando o festival até a sua casa.

Sendo um dos principais objetivos do Festival de Cinema da Lapa valorizar e difundir nosso cinema, proporcionamos ao público o acesso gratuito a filmes  importantes, com especial destaque para o cinema paranaense. Seis mostras de longas e curtas-metragens oferecem uma seleção de obras representativas da diversidade temática e estética do cinema brasileiro contemporâneo, incluindo filmes premiados aqui e no exterior. 


 

MOSTRA COMPETITIVA

Programação Drive-In - 03 a 06 de Dezembro de 2020

 

03/12 - 20h

Três Verões, Ficção, 94’

Direção: Sandra Kogut

Edgar e Marta formam um rico casal que, em todo verão, entre o Natal e o Ano Novo, recebe amigos e família para festas em sua mansão à beira-mar. Quem organiza a casa e gerencia os empregados é Madalena, que sem querer se envolve em negócios escusos da família dos patrões.

Classificação Indicativa: 12 anos

 

04/12 - 20h

Vou Nadar Até Você, Ficção, 107’

Direção: Klaus Mitteldorf

A jovem fotógrafa Ophelia acredita ter descoberto quem é seu pai e sai de Santos, a nado, rumo a Ubatuba, onde espera encontrá-lo. Antes de partir, ela envia uma carta avisando que está a caminho.

Classificação Indicativa: 16 anos

 

06/12 - 20h

Lamento, Ficção, 105’

Direção: Diego Lopes e Claudio Bitencourt

Elder é o dono de um hotel que herdou de seu pai e levou o negócio da família a falência. Enfrentando as consequências de uma vida de excessos, ele vive o período mais difícil de sua vida, atingindo seu limite emocional e sem perspectiva de como continuar.

Classificação Indicativa: 16 anos

07/12 - 20h

Os Espetaculares, Ficção, 87’

Direção: André Pellenz

Um comediante stand-up precisa entrar em uma competição para escapar da prisão e salvar seu bolso. Nessa trajetória inusitada, terá como companhia uma nerd, um sonhador e um lunático.

Classificação Indicativa: 12 anos



MOSTRA INFORMATIVA

Programação Online - 03 a 09 de Dezembro de 2020

 

A Mostra Informativa desta edição é composta por filmes do catálogo da Olhar Distribuição. Uma das mais importantes distribuidoras de filmes da região sul, a Olhar é sediada em Curitiba.  O Festival de Cinema da Lapa vai homenageá-la com um Diploma de Mérito, em reconhecimento ao seu trabalho pela difusão do cinema independente brasileiro e também por possibilitar a distribuição nacional e internacional de filmes paranaenses.

 

 

Vários mundos, diferentes olhares!  

 

A Olhar Distribuição nasce do desejo de buscar a pluralidade de experiências, de visões de mundo e de mostrar a diversidade que existe no contexto em que vivemos.

Cada filme tem um universo próprio, repleto de cores, texturas, sorrisos, dilemas e cultura.

O que move a Olhar é transpor as fronteiras que limitam os mundos ficcionais ou reais, levar os filmes a outros olhares, com realidades distintas, a fim de sensibilizar e provocar a reflexão.

Com o propósito de promover filmes que dialogam com a contemporaneidade, entendemos que o momento é o de olharmos, também, para a multiplicidade de realidades e narrativas.

 

Alice Júnior, Ficção, 87’

Direção: Gil Baroni

Alice Júnior é uma YouTuber trans cercada de liberdades e mimos. Depois de se mudar com o pai para uma pequena cidade onde a escola parece ter parado no tempo, a jovem precisa sobreviver ao ensino médio e ao preconceito para conquistar seu maior desejo: dar o primeiro beijo.

Classificação indicativa: 14 anos

 

Meu Nome é Daniel, Documentário, 83’

Direção: Daniel Gonçalves

Primeiro longa-metragem brasileiro dirigido por uma pessoa com deficiência, “Meu Nome é Daniel” é um documentário em primeira pessoa. Nele, Daniel Gonçalves, jovem cineasta carioca que nasceu com uma deficiência que nenhum médico foi capaz de diagnosticar, percorre o caminho de sua vida para tentar compreender sua condição.
Classificação indicativa: 12 anos

 

 

Nóis por Nóis, Ficção, 96’

Direção: Aly Muritiba e Jandir Santin

O Baile rola solto. Enquanto o RAP ecoa das caixas de som, quatro amigos vagam pela pista com objetivos bem distintos. O que eles não sabem é que seus destinos estarão selados para sempre

após esta noite.

Classificação indicativa: 16 anos

 

Zona Árida, Documentário, 76’

Direção: Fernanda Pessoa
Em 2001, a diretora brasileira Fernanda Pessoa, aos 15 anos, vive a experiência de ser uma aluna de intercâmbio por um ano em Mesa, no Arizona, considerada a cidade mais conservadora dos EUA. 15 anos depois – e dois meses antes da eleição de Donald Trump – ela retorna para tentar entender sua experiência lá e as ideias conservadoras em relação a temas como a fronteira mexicana, o estilo de vida country, a religiosidade e o patriotismo.

Classificação indicativa: 12 anos


 

 

MOSTRA RESGATE 

A DESILUSÃO EM VHS – O CINEMA EXPERIMENTAL DE TIOMKIM

 

Produção e direção: Tiomkim

Restauração digital: Matheus de La Palm.

Classificação indicativa: 16 anos

 

Mostra de curtas-metragens premiados realizados pelo diretor e produtor audiovisual Tiomkim, um dos pioneiros nas áreas do cinema experimental e da videoarte no Paraná. Vão ser exibidos pela primeira vez em quase três décadas trabalhos do início de sua carreira, produzidos na bitola VHS e restaurados em formato digital.

 

Depoimento de Tiomkim: 

“Com o surgimento do vídeo doméstico VHS nos anos 80 comecei a produzir exercícios audiovisuais com uma câmera nessa bitola, emprestada pelo jornalista Aramis Millarch. Nessa época era um equipamento caro, mas resolvia as dificuldades básicas de  realização. Numa época em que produzir em película tinha um alto custo, com o vídeo era possível criar alguns trabalhos experimentais, apesar da qualidade inferior de imagem. Eu seguia os passos de meus ídolos do cinema experimental, como Maya Deren, Norman McLaren, Kenneth Anger e Jonas Mekas. E ainda tinha um manual que me acompanhava que era o livro "Uma Introdução ao Cinema Underground", de Sheldon Renan. Meu maior prazer era sair nas ruas de Curitiba e convencer os amigos a posarem para a câmera VHS.”

  

Cinemascorpos (1989)

Performances  com atores e não atores em espaços alternativos de Curitiba. Co-direção de Antonio D’Alves. Com Claudia Singer, Sonia Chagas, Robert Ianke, Luiz Augusto Loureiro, Pierre Cabral, Fabio Guimarães , Eliana Karas, Tatiana Rodrigues e Gesner Oliveira.

Menção Honrosa no 7º Festival Videobrasil (1989, SP)

  

Imagens em Fuga (1990)

Colagem de imagens produzidas em VHS e inspiradas pelos filmes de Jonas Mekas e Maya Deren. 

 

Cenas de um Sonho Selvagem (1991)

Homenagem ao cineasta Kenneth Anger.

Com Silvio Kaviski.

Prêmio de Melhor Edição no II Festival Nacional de Vídeo de Vitória (1991, ES)

Prêmio de Melhor Videoarte no Salão Curitiba VII (1991, PR)


 

Mostra de Competitiva Curtas-Metragens Infantis 

 

Duas sessões de filmes de ficção, animação e documentário apresentam uma seleção das melhores produções do cinema infantil brasileiro, com obras que além de divertir as crianças vão ajudá-las a refletir sobre importantes questões do mundo contemporâneo.

 

Antes que vire Pó, Ficção, 12’12”

Direção: Danilo Custódio

 

A Vida é Coisa que Segue, Ficção, 15’39”

Direção: Bruna Schelb Corrêa

Na família de Luiz existe uma ausência que acompanha todos os que ficaram. A rotina, porém, empurra os dias pra frente. No decorrer de uma manhã como qualquer outra o menino explora um caminho conhecido, vai buscar pães e escuta de um amigo improvável uma história tão boa que distrai sua saudade.

 

Lily’s Hair, Ficção, 14’43”

Direção: Raphael Gustavo da Silva

Lily é uma garota negra que não gosta de seus cabelos. Com a ajuda de Caio, seu amigo cadeirante, tenta ter os cabelos do jeito que sempre sonhou.

 

Conte sua História ou Entregue sua Alma, Ficção, 17’12”

Direção: Andrea Avancini

Conflitos, brigas, medos, fobias, desentendimentos. Em meio aos caos de um dos momentos mais difíceis de suas vidas, crianças e adolescentes são desafiados pelas páginas em branco de um livro encantado que lhes faz o seguinte desafio quanto é aberto por eles: "Conte Sua História ou Me Entregue Sua Alma". Desafiado pelo livro, o leitos é imediatamente sugado para um conto de terror e mistério - Uma fábula sobre seus próprios medos e problemas que, ao serem vencidos, terá sempre um final feliz e uma mensagem edificante. 

 

Narratal de faz de Contos, Ficção, 14’26”

Direção: Diego Rezende

Na noite de Natal, após as reuniões familiares, a cidade dorme. Mas em uma casa qualquer, um garoto chamado Juca decide ficar acordado para fotografar o Papai Noel. No entanto, as ideias de Juca não ocorrerão da forma como ele havia planejado, porque um visitante inesperado mudará completamente a sua noite.

 

Corações Encouraçados, Animação, 15’

Direção: Jamile Coelho e Cintia Maria

No cenário fascinante de um Brasil esquecido, Ana reza a espera de um milagre: a chuva. Enquanto isso, João atravessa o sertão na esperança de conseguir levar água para casa, antes que Ana dê a luz.

 

O Pássaro Encantado, Animação, 5’38”

Direção: Bruna Amado

Na aldeia todos estão tristes com a partida do grande avó, o Pajé.  A avó, com sua sabedoria, sai mata adentro em busca do canto de esperança e alegria do Pássaro Encantado. Esse vídeo é inspirado no livro da Eliane Potiguara.

 

Vento Viajante, Animação, 6’09”

Direção: Projeto Animação

 

Inspirações, Documentário, 18’30”

Direção: Ariany de Souza

A Diretora e Atriz principal do filme, Ariany de Souza, é uma jovem da Zona Oeste do Rio de Janeiro que encontrou na música e na poesia às inspirações para vencer os obstáculos que a vida foi colocando em seu caminho.

 

Primeiro Carnaval, Ficção, 4’57”

Direção: Alan Medina

Uma criança vive a mágica do carnaval pela primeira vez.

 

Dádiva, Ficção, 6’10”

Direção: Evelyn Santos

 

 

Mostra Competitiva Curtas-Metragens Paranaenses 

 

O cinema paranaense tem se destacado no circuito de festivais, obtendo premiações elogios da crítica. Esta mostra com quatro sessões possibilita ao público conhecer vários trabalhos importantes, representativos da diversidade estética e temática que caracteriza o cinema feito no estado.

 

Aonde vão os Pés, Ficção, 14’09

Direção: Débora Zanatta

Ela percorre os caminhos da adolescência com coragem para viver seus desejos. E no encontro com o inesperado se coloca a correr, confiante em seus próprios pés.

 

Aquele Casal, Ficção, 20’

Direção: William de Oliveira

Depois de ser vítima de um violento ataque homofóbico, um casal tenta superar o trauma e seguir em frente.

 

Bicha-Bomba, Documentário, 8’

Direção: Renan de Cillo

Este filme “não é capaz de vingar as mortes, redimir os sofrimentos, virar o jogo e mudar o mundo. Não há salvação. Isso aqui é uma barricada! Não uma bíblia.”

 

E no Rumo do meu Sangue, Documentário, 04’25”

Direção: Gabriel Borges 

"Aos negros brasileiros, regressar à África espiritualmente. " Uma apropriação de imagens e sons de um cinema novo para a construção de um novo imaginário.

 

Ela que mora no Andar de Cima, Ficção, 14’

Direção: Amarildo Martins 

Luzia vira “cobaia” dos doces e quitutes da vizinha confeiteira, Carmem. A amizade evolui para uma paixão platônica, que traz um novo sabor para os dias amargos de Luzia. 

 

Exumação da Arte, Documentário, 14’18”

Direção: Maurício Ramos Marques

Num terreno cercado de instituições oficiais como o Museu Oscar Niemeyer, o Bosque do Papa e Secretarias do Estado, Cláudio Kambé, juntamente com artistas plásticos, escultores e performers realizam um ritual primitivo contemporâneo: a exumação da arte!

 

Fronteiras/Guaíra, Documentário, 26’01”

Direção: Juliana Sanson

Trinta e seis anos após o alagamento das Sete Quedas, moradores da cidade de Guaíra ainda relembram o episódio. Rubens, mantém as tradições paraguaias. Frei Pacífico trabalha no reflorestamento de uma ilha que foi devastada pelas águas. Inácio, Ilson e Paulina lutam para manter as tradições do povo guarani e demarcar suas terras.

 

Iberê e a Liberdade, Documentário, 15’

Direção: Thayse Fernandes

Iberê é um jovem cadeirante com paralisia cerebral. Suas limitações dificultam praticamente todas as suas ambições de vida. Ao mesmo tempo em que os dias passam, ele reflete sobre como as situações e sociedade conversam com seu problema e desejos.

 

Meia Lua Falciforme, Documentário, 22’

Direção: Débora Evellyn Olimpio e Dê Kelm

Sensações, olhos e ouvidos atentos para relatos carregados de emoção sobre a doença falciforme, predominante na população afrodescendente. Aborda o racismo que impede um melhor tratamento. Apresenta o que é a enfermidade e como os pacientes podem ser melhor atendidos, trazendo situações reais que enfrentam.

 

Meu coração é um Pouco mais Vazio na Cheia, Documentário, 10’20”

Direção: Sabrina Trentim

Pessoas esperam um ano inteiro para descer para o Rio Araguaia, onde o céu é mais alto e uma vez no ano parece uma vez na vida. Neste filme-ensaio, palavras e imagens contam sobre festas dentro da água. Muito em breve tudo que vai correr nas suas veias é o rio. E só o rio.

 

Náusea, Ficção, 12’56”

Direção: Thomas Webber 

Ana, assediada por pesadelos surreais, procura a ajuda de sua mãe, que é incapaz de enxergar o real problema que eles representam. Sem esperança, essa menina solitária se vê obrigada a tomar uma atitude drástica.

 

Se não for Divertido não tem Graça, Documentário, 15’

Direção: Vinicius Comoti 

Um filme que passeia pela vida de Luiz Antonio Solda, figura central da cultura paranaense, na qual se destaca como cartunista, poeta, publicitário e principalmente como um grande provocador do cotidiano, atado pela ironia que perpassa toda a sua obra.

 

Seremos Ouvidas, Documentário, 12’55”

Direção: Larissa Nepomuceno

Como existir em uma estrutura sexista e ouvinte? Gabriela, Celma e Klicia, três mulheres surdas com realidade diferentes, compartilham suas lutas e trajetórias no ativismo feminista surdo.

 

Tecendo a Vida, Documentário, 15’

Direção: Teia Werner

O documentário “Tecendo a vida” mostra a trajetória da artista têxtil Zélia Scholz no universo da tecelagem artesanal. Através de depoimentos é revelada sua força e a sua contribuição para a formação de uma nova geração de tecelões.

 

Terror Noturno, Ficção, 21’06”

Direção: Evandro Scorsin 

Após uma festa com muita bebedeira e diversão, um casal desperta no dia seguinte sem qualquer recordação sobre os eventos da noite anterior. Quando encontram vestígios de um provável atropelamento no para-choque do carro, passam a acreditar que podem ter cometido um assassinato.

 

Zadra, Documentário, 24’16”

Direção: Diego Duda

O dia a dia da vida de um comediante não é nada fácil. No filme, Fagner Zadra conta como iniciou sua carreira, por quais dificuldades passou e o que fez para adaptar suas piadas depois de sofrer um grave acidente.

 

 

 

MOSTRA COMPETITIVA CELULAPA

 

O concurso “CELULAPA - Prêmio FAEL de Curta no Celular” tem como objetivo incentivar o uso de meios tecnológicos para produção de curtas-metragens através de aparelhos celulares, estimulando a criatividade mesclada com a tecnologia. Dez filmes selecionados serão exibidos na Mostra e dentre esses três receberão premiação em dinheiro.

.

.

.

 © Festival de Cinema da Lapa | 2020 | Todos os direitos reservados | informações: festlapa@gmail.com|  Desenvolvido por: Leandro Cordeiro

site-04.jpg